Fale Conosco
  • location_on

    Rua amadeu roldan, 637

Deixe sua Mensagem






Você prefere ser atendido por email ou whatsapp?

Seus dados serão utilizados exclusivamente para análise previdenciária. Não repassaremos as informações a terceiros e nos comprometemos a não enviar Spam.

Auxílio emergencial pode ser prorrogado em caso de segunda onda do coronavírus

Auxilio Emergencial Pode Ser Prorrogado Em Caso De Segunda Onda De Coronavirus - Escritório de Advocacia em São Paulo - SP | Macedo Advocacia - Auxílio emergencial pode ser prorrogado em caso de segunda onda do coronavírus

COVID-19: Auxílio emergencial deve ser prorrogado em caso de 2ª onda

Ministro Paulo Guedes acredita que a economia está retomando o nível de atividade e voltou a falar em imposto sobre transações financeiras.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira, 12, que, se houver uma segunda onda de casos de Covid-19 no país, a prorrogação dos pagamentos do auxílio emergencial será uma certeza.

Segundo ele, a prorrogação do auxílio emergencial não é o plano A do governo, mas a medida pode ser tomada como forma de reação.

Auxílio emergencial

O auxílio emergencial foi aprovado pelo Congresso para amenizar as perdas de trabalhadores informais afetados pela pandemia.

O governo começou a fazer os pagamentos em maio. Inicialmente, iriam até julho. Depois foram prorrogados uma primeira vez até setembro e, uma segunda vez, até dezembro. O valor, no início, era de R$ 600, mas passou para R$ 300 nas últimas parcelas.

Economia

O ministro também falou sobre as estratégias e desafios para a economia nos próximos meses. Segundo Guedes, o governo terá gastado ao final de 2020 mais de R$ 600 bilhões, ou 10% do PIB, para auxiliar os desassistidos e combater os efeitos da pandemia no emprego e na renda.

Guedes disse que, no caso de uma segunda onda, a experiência adquirida neste ano pode fazer com que eventuais gastos emergenciais sejam de 4% do PIB.

“A pandemia está descendo, o auxílio está descendo junto, e economia voltando. Essa é nossa realidade, nosso plano A. ‘Ah, mas veio uma segunda onda’. Ok, vamos decretar estado de calamidade de novo e vamos nós, de novo, com a experiência que temos agora, recalibrando os instrumentos”, explicou Guedes. “Ao invés de gastar 10% do PIB, como foi neste ano, gastamos 4% [em 2021]”, completou.

Retomada

Guedes voltou a dizer que a economia brasileira está retomando em “V” seu nível de atividade, ou seja, uma queda brusca seguida de um